fbpx

Blog Nutrição e Saúde

Setembro Roxo: mês de conscientização da Doença de Alzheimer

Dia 21 de Setembro é o Dia Mundial da Doença de Alzheimer. Por isso, esse mês é conhecido como Setembro Roxo ou Setembro Lilás.

A data foi criada em 1906, através de uma inciativa da ADI-Associação Internacional do Alzheimer e, apesar do Setembro Roxo ser o mês dedicado a essa conscientização, as informações sobre a Doença de Alzheimer e sua prevenção devem compartilhadas sempre, para que atinjam cada vez mais pessoas, pois a cada ano temos 55 mil novos casos de Demência no Brasil.

Esse dado reflete uma transição: antigamente, os especialistas da saúde se preocupavam em combater doenças infectocontagiosas. Agora, com um bom arsenal terapêutico para o tratamento, a preocupação é outra: o aumento da expectativa de vida causou uma prevalência maior de doenças degenerativas, como a Doença de Alzheimer.

Para contribuir com a ação do Setembro Roxo, trouxemos as principais informações que você precisa saber sobre a doença. Confira.

O que é Doença de Alzheimer e onde afeta?

A Doença de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, progressiva e irreversível. Ou seja, ela afeta o cérebro e suas funções cognitivas (memória, linguagem, atenção e orientação), conforme o avançar da idade. Ela não tem cura, mas tem tratamento para diminuir sintomas e evitar o avanço.

A Doença de Alzheimer é um tipo de Demência – termo usado para várias doenças que afetam a memória, ou outras habilidades cognitivas e comportamentais, que interferem na capacidade de uma pessoa manter suas atividades diárias. Por isso, é tão importante saber identificar os sintomas, consultando um médico especialista.

Clique AQUI e saiba mais sobre o que é a Doença de Alzheimer.

Sintomas da Doença de Alzheimer

De acordo com o Ministério da Saúde (2019), o primeiro sintoma na Doença de Alzheimer é a perda de memória recente. Com a progressão da doença, aparecem sintomas mais graves.

Entre os principais sinais e sintomas da Doença Alzheimer estão:

• Falta de memória para acontecimentos recentes;
• Dificuldade para dirigir automóvel e encontrar caminhos conhecidos;
• Repetição da mesma pergunta várias vezes;
• Dificuldade para encontrar palavras que exprimam ideias ou sentimentos pessoais;
• Incapacidade de elaborar estratégias para resolver problemas;
• Dificuldade para acompanhar conversações ou pensamentos complexos;
• Irritabilidade, suspeição injustificada, agressividade, passividade, interpretações erradas de estímulos visuais ou auditivos, tendência ao isolamento.

Causas e fatores de risco da Doença de Alzheimer

A idade é a causa mais frequente das Demências, como a Doença de Alzheimer. Na América Latina, a prevalência aos 60 anos é de 1,3%, enquanto que a partir dos 90 anos passa para 63,9%. Por isso, o aumento da expectativa de vida e o envelhecimento estão relacionados aos casos crescentes da Doença de Alzheimer.

Setembro roxo Alzheimer

Embora a doença não seja considerada hereditária, há casos, principalmente, quando a doença tem início antes dos 65 anos, em que a herança genética é importante. Mas esses casos correspondem a apenas 5% dos pacientes com Doença de Alzheimer.

São considerados como fatores de risco a hipertensão, diabetes, obesidade, tabagismo e o sedentarismo. Já pessoas com histórico de complexa atividade intelectual tendem desenvolver a doença mais tardiamente.

Como prevenir a Doença de Alzheimer?

De acordo com estudo (The Lancet, 2017), mais de um terço dos casos de Demência pode ser prevenido.

Desenvolver novas habilidades, para fazer uma reserva cognitiva, ajuda a preservar a memória e prevenir a Demência ou diminuir os sintomas.

Mudanças que você pode adotar desde já para prevenir a Doença de Alzheimer: ter a educação como um objetivo para toda a vida, fazer atividade física, melhorar o padrão dietético, manter o engajamento social, eliminar/reduzir o hábito de fumar, tratar a hipertensão, diabetes e cuidar da audição, que é um estímulo para memória. Leia mais AQUI.

Como cuidar da Doença de Alzheimer

Alimentação

O acompanhamento nutricional em casos de Demência é essencial. A partir da avaliação de uma nutricionista, o paciente seguirá uma dieta que o ajude a fornecer energia ao cérebro.

Algumas dicas nutricionais para manter a saúde do cérebro:
– Dieta do mediterrâneo: fontes proteicas, carne vermelha, peixes, aves suínos, leguminosas e ovos. Leite e derivados, sementes oleaginosas, azeite de oliva e frutas do grupo das berries.
– Alimentos que tenham Zinco, Magnésio, Vitamina E, Vitamina C, Vitaminas do complexo B, Vitamina D e EPA/DHA, UMP, Fosfolipídeos, Colina, Ácido Cáprico e Ácido Caprílico.

Confira a entrevista com a Dra. Simone Pinto e veja como a avaliação nutricional é feita.

Um olhar carinhoso

Os sintomas da Doença de Alzheimer, como o esquecimento e a dependência, podem dificultar a rotina entre paciente-cuidador. E uma das alternativas que o Jornalista Fernando Aguzzoli criou com sua Vó Nilva foi levar mais leveza e bom humor à relação.

Tratamento

O tratamento da Doença de Alzheimer pode demandar um trabalho multidisciplinar, para que todos os aspectos e necessidades do paciente sejam levados em consideração, a fim de melhorar sua qualidade de vida. Mas existem três especialistas que podem auxiliar diretamente no tratamento da doença: o geriatra, o neurologista e o psiquiatra.


A ABRAz – Associação Brasileira de Alzheimer criou um grupo para compartilhar informações sobre a Doença de Alzheimer: “Alzheimer: desmistificando os cuidados.”

Com este artigo, falamos sobre a Doença de Alzheimer, seus principais sintomas e como a alimentação e hábitos de vida influenciam na prevenção. A importância de abordagens alternativas para melhorar a qualidade de vida , como o olhar carinhoso e o cuidado multidisciplinar, também são pontos que fazem parte da conscientização da Doença de Alzheimer.

Se você gostou deste artigo ou conhece alguém que se beneficiaria desta leitura, não deixe de compartilhar o link e disseminar informação.

 

 

POSTS RELACIONADOS