Blog Prodiet

Entrevista com Especialista: Os benefícios da proteína hidrolisada do arroz para atletas, idosos e veganos

 

No nosso último post, falamos sobre a proteína hidrolisada do arroz como uma excelente alternativa em relação às proteínas de origem animal para diferentes grupos populacionais. Hoje vamos focar em veganos, atletas e idosos. De acordo com a nutricionista Thais Verdi, especialista em Nutrição Esportiva, a proteína do arroz hidrolisada é uma proteína vegetal ideal que contém todos os aminoácidos essenciais que o corpo necessita. “É produzida por métodos que levam uma enzima combinada que garante uma hidrólise perfeita, originando um produto com mais de 90% de aminoácidos na forma de dipeptídeos e tripeptídeos. É um alimento livre de alérgenos, com alto valor nutricional, voltado especialmente para suplementação na área de nutrição esportiva, reposição proteica e para indivíduos veganos, vegetarianos, celíacos (intolerantes ao glúten) e pessoas com intolerância à lactose”, explica.

Conforme explica Thais, a proteína do arroz contém diversos aminoácidos essenciais: triptofano, Isoleucina, leucina, lisina, metionina, tirosina, cisteína, fenilalanina, valina, histidina e treonina, conseguindo oferecer uma boa quantidade de aminoácidos por dose. “A leucina, por exemplo, é um aminoácido que age de maneira direta na regeneração das fibras musculares, atuando de maneira mais específica que outros aminoácidos essenciais, prevenindo a sarcopenia [perda de massa muscular] no idoso, bem como atendendo as necessidades nutricionais de uma atleta”, avalia.

No caso de atletas, conforme explica a nutricionista, só é necessário ajustar a dose consumida para atingir os objetivos dentro de cada modalidade esportiva. Quanto à hipertrofia, os efeitos da proteína do arroz são surpreendentes quando comparado ao whey protein [mistura de proteínas globulares isoladas a partir de soro de leite, utilizadas para ganho de massa muscular]. “Um estudo publicado em 2013 no Nutrition Journal faz uma comparação entre esses dois suplementos. No estudo, 24 homens saudáveis praticantes de treino de resistência foram divididos em dois grupos, sendo que um teria que consumir apenas a proteína do arroz e, o outro, somente whey protein, na quantidade de 48g diários no pós-treino, durante um período de oito semanas. Os resultados mostraram que o grupo que consumiu a proteína do arroz teve um aumento de 2,5kg de massa magra, enquanto o outro grupo aumentou 3,2kg de músculos. Uma diferença não significativa, mostrando que a proteína do arroz pode ser uma excelente substituta”, assinala.

Veganos

Veganos são pessoas que não consomem nenhum produto de origem animal, seja alimentício ou não, que inclua animais em seu processo de teste ou que provenha deles. Para este público, uma boa alternativa de suplemento proteico é a proteína hidrolisada do arroz.

“A proteína de arroz é uma proteína 100% natural, possui excelente digestibilidade e perfil equilibrado de aminoácidos”, enumera a nutricionista Thais Verdi.

Idosos


Já falamos também aqui no blog sobre a sarcopenia, condição ligada à perda da musculatura, da força e à piora do desempenho muscular, o que torna os idosos mais fragilizados, prejudicando seu estilo de vida e tornando-os mais dependentes da ajuda de terceiros, além de facilitar o surgimento de comorbidades clínicas.

Este grupo também pode se beneficiar com a suplementação alimentar com a proteína hidrolisada do arroz, garante a nutricionista Thais Verdi. “A perda da força muscular dos idosos é resultado tanto da idade quanto também de uma alimentação inadequada ou uma doença ou patologia. Mas antes de qualquer suplementação, deve-se ter acompanhamento médico e nutricional para seguir a dose recomendada”, pondera.

Uma pesquisa da McMaster University, do Canadá, publicada na revista científica “Plos One”, mostrou que, quando tomado regularmente nesta faixa etária, este tipo de suplemento pode melhorar consideravelmente a força física e ajudar na prevenção e no tratamento da sarcopenia, problema que atinge 40% da população acima de 65 anos.

Sobre a dosagem para os diferentes públicos, Thais explica que é muito específica e deve ser individualizada, pois varia de acordo com a idade, altura, alimentação e prática de esporte (modalidade, duração e intensidade). “A dose diária sugerida pode variar, dependo do objetivo do tratamento. Pessoas envolvidas em treinos de resistência necessitam em média de 1,2 a 1,4g por quilo de peso ao dia, enquanto atletas de força necessitam em média 1,6 a 1,7g/Kg/dia. Já para suplementação destinada a idosos e indivíduos que praticam atividade física moderada a intensa, ou pessoas que necessitem da suplementação proteica, como os veganos, a quantidade fica em torno de 0,8 a 1,0g por quilo de peso ao dia”, finaliza Thais.

Thais Verdi é nutricionista, especialista em Bioquímica, Fisiologia e Nutrição Esportiva, pela Unicamp; e especialista em Nutrição Clínica Ortomolecular, pela Fapes. É autora do livro Nutrição Esportiva (Ed Sarvier).

POSTS RELACIONADOS