0800 702 8845 / (41) 3342 2825

Condições Clínicas: Cirúrgia Bariátrica

Considerada, atualmente, como um grave problema de saúde pública, a obesidade, por se tratar de uma doença crônica, atinge proporções epidêmicas nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, associada às altas taxas de morbidade e mortalidade (1). É uma doença caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, e sua classificação é baseada no Índice de Massa Corporal (IMC) e no risco de mortalidade associada. Assim, considera-se obesidade quando o IMC se encontra acima de 30 kg/m2 e valores iguais ou superiores a 40 kg/m2 são classificados como obesidade mórbida ou grave (2).

A cirurgia bariátrica é considerada uma ferramenta eficaz no tratamento da obesidade mórbida. O acompanhamento multidisciplinar é necessário para que se obtenham resultados satisfatórios de perda de peso após o procedimento e evitar complicações tardias. A deficiência de micronutrientes e desnutrição proteica podem ser fatores de complicações, quando não tratados corretamente. A ênfase no acompanhamento nutricional adequado deve ser mandatória (3,4).

De acordo com a Sociedade Americana de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, para os indivíduos submetidos a cirurgia bariátrica o objetivo principal do tratamento deve ser a perda de peso e o estabelecimento de um novo padrão alimentar saudável. Com esse intuito, a orientação nutricional oral adequada associada a exercícios físicos torna-se imprescindível e deve ser indicada a todos os pacientes desnutridos ou em risco nutricional (5,6,7,8).

Os pacientes submetidos a cirurgia bariátrica apresentam maior risco de desenvolver deficiências nutricionais pela limitação na ingestão e absorção de diferentes nutrientes. Após a cirurgia bariátrica, a desnutrição proteica é a complicação mais grave e mais comum entre os pacientes. Com a rápida perda de peso, a gliconeogênese a partir de aminoácidos em combinação com disabsorção e intolerância a alimentos ricos em proteínas, como as carnes, por exemplo, pode levar a perda significativa de proteínas corporais. Para minimizar essa desnutrição é recomendado a ingestão diária de 60 a 120 g de proteína (5,9).

  1. World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: World Health Organization, 2011.
  2. Consenso Latino-Americano em Obesidade (CLAO). Rio de Janeiro. Brasil, 1998.
  3. Mechanick JI et al. American Association of Clinical Endocrinologists, the Obesity Society, and American Society for Metabolic & Bariatric Surgery Medical Guidelines for Clinical Practice for the perioperative nutritional, metabolic, and nonsurgical support of the bariatric surgery patient. Endocrine Practice. 2008; 14(1).
  4. 6. Bordalo LA, Teixeira TFS, Bressan J, Mourão DM. Cirurgia bariátrica: como e por que suplementar. Rev Assoc Med Bras. 2011; 57(1):113-120.

fechar

continue lendo sobre Cirúrgia Bariátrica

PRODUTOS INDICADOS

OUTRAS CONDIÇÕES CLÍNICAS